Sou médico, devo me preocupar com marketing pessoal?

Sou médico, devo me preocupar com marketing pessoal?  tip imagem

Eis uma pergunta que muitos médicos fazem e o nosso conselho é: deve! Marketing pessoal não é a mesma coisa que propaganda, é muito mais sutil e muito mais abrangente do que colocar uma foto de página inteira na lista telefônica (os mais jovens que nos perdoem pela referência). O que vamos propor a seguir são algumas atitudes que você pode colocar em prática e que farão você se destacar em meio a tantos outros profissionais.

 

Pesquisas indicam que¹:

-70% dos médicos que utilizam o PEP consultaram o histórico da vida pregressa dos pacientes.

-100% dos médicos que usam o PEP leram as consultas anteriores.

-100% dos médicos cadastraram CID em suas consultas atendidas on-line.

O prontuário eletrônico é uma tecnologia essencial para organizar as informações para ensino, pesquisa e melhoria da qualidade da assistência à saúde.

 

Qual a diferença entre PEP e RES

PEP é o prontuário eletrônico do paciente, onde estão todas as informações adicionadas pelo médico e é um documento que somente ele tem acesso, de uso interno. Com o desenvolvimento da informação este documento evoluiu para o Registro Eletrônico de Saúde (RES) que tem por objetivo o compartilhamento de informações entre profissionais e/ou entidades (municípios, estados, grupo de hospitais ou clinicas, por exemplo). 

Dica: PEP não é prontuário digitalizado. Este é somente um prontuário de papel que foi escaneado e armazenado em banco de dados eletrônico.

 

O que eu preciso para usar o PEP?

Para prontuários totalmente on-line o certificado digital é imprescindível, segundo o Conselho Federal de Medicina (CFM)³. Um certificado digital é um arquivo de computador que identifica uma pessoa física ou jurídica no mundo digital, isso é a garantia que somente ele adicionou informações a tal documento.

 

O certificado digital existe em formato smartcard ou token e é muito fácil de fazer, basta procurar alguma agência autorizada.  Encontre abaixo, no “Quer saber mais”, uma cartilha com o passo a passo, documentos necessários e locais de emissão.

 

Qual o investimento necessário?

Apesar de parecer um sistema complexo e custoso, alguns softwares de prontuário eletrônico são gratuitos (a empresa cobra a manutenção, apenas). Caso a opção seja pela compra de um software, com integração de agenda, o valor pode ser mensal ou anual. Os pacotes variam de acordo com as ferramentas contratadas, mas o investimento compensa.

Dica: Para escolher o melhor software pense em três palavras: segurança, customização e praticidade ³.

 

Quer saber mais?

-Titulo: O prontuário médico e a responsabilidade civil.

Autor: Cesar Augusto Trinta Weber. Editora EdiPUCRS.

-Título: Prontuário do Paciente.

Autores: Maria Cristiane Barbosa Galvão |  Ivan Luiz Marques Ricarte. Grupo Editorial Nacional.

-O CFM (Conselho Federal de Medicina) fornece uma cartilha com orientações sobre a Certificação de Sistemas de Registro de Saúde: https://portal.cfm.org.br/crmdigital/Cartilha_SBIS_CFM_Prontuario_Eletronico_fev_2012.pdf

 

A versão digital traz evidente redução de custos e recursos. Ela evita a deterioração, a perda ou adulteração da histórica clínica, a duplicação de prescrições e de exames e dá uma visão completa e atualizada do paciente.

 

Referências
1. Saúde Business (2015), disponível em: http://saudebusiness.com/noticias/o-melhor-prontuario-eletronico-ehr-e-gratuito/
2. Blog Imedicina (2017), disponível em: http://blog.imedicina.com.br/prontuario-eletronico-estatisticas-artigo-pe-topo/
3. VITTA (2017), disponível em: https://blog.vitta.me/atendimento/como-escolher-o-melhor-prontuario-eletronico-para-a-sua-clinica/

A avaliação dos usuários para este artigo é